A Fazenda no piloto automático 

Foi como assistir a um episódio de Chaves – ainda que longo demais. Rigorosamente nenhuma novidade foi apresentada na estréia da oitava temporada de A Fazenda.

Roberto Justus recitou o mesmo texto tacanho que já vitimava Britto Jr nos anos anteriores.

Os participantes eram todos aqueles que a gente já tinha lido na internet – menos o Rafael Ilha, sempre às voltas com seus problemas com a justiça (nem isso é novo).

Foram executadas mesmas dinâmicas surradas tentando acelerar os processos de inimizades no confinamento.

E tudo isso ladeado por longas cenas de subcelebridades cozinhando, discutindo pormenores. Parecia que a produção estava querendo nos castigar por ainda insistir com o programa.

Não há esperança em Itu. Nem para os tristes aspirantes a um novo sopro de visibilidade, nem para nós no lado mais brilhante da tela.

Eu quase concordo com a produção do programa. Acho que nos merecemos pela falta de vergonha na cara.

A Fazenda 8 – Season Première
Cotação: uma cusparada da Urach de 17 possíveis

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s